Como promover eficazmente uma igreja ou evento?

Nas próximas linhas deixo-vos algumas dicas para fazer uma comunicação eficiente no que toca a promover uma entidade ou evento, tendo em conta alguns princípios que servem de base um universo enorme que lida com as questões da comunicação.

Comunicar é Obedecer!

“Ide por todo o mundo, pregai o Evangelho a toda a criatura” (Marcos 16:15). Individualmente e como Igreja, devemos evangelizar e fazer discípulos. As ferramentas de Marketing, jornalismo e publicidade ajudam-nos na tarefa. O facto de muito do serviço na igreja seja realizado por trabalho voluntário,não significa que seja feito com menos qualidade ou sem cuidado.

É importante termos alguém que cuida da imagem da igreja como um todo ou (no caso de igrejas com mais talentos nesta área) faça a direção de todo o trabalho de imagem ou comunicação. Vamos falar sobre publicidade ou promoção da igreja ou de algum evento da mesma.

Elementos a ter em conta

  • Linguagem adequada ao público-alvo;
  • Publicitar onde está o público-alvo;
  • Utilizar criatividade e sensibilidade estética;
  • A melhor publicidade é a pessoal (passar a palavra);
  • Contactar a imprensa (relações públicas).

A QUEM se destina?

  • Objetivo claro: informar um determinado público de modo eficaz, por forma a levá-lo a experimentar, comprar, aderir, etc.;
    • O exemplo de Jesus: aproximou-Se de nós; tornou-Se homem e comunicou com a Sua geração, numa linguagem que eles compreendiam;
    • O exemplo de Paulo: nas sinagogas tinha um discurso, no Areópago teve outro. Adaptava o mesmo conteúdo de acordo com as pessoas a quem e o que estava a dizer (cartas às igrejas, discursos, etc.).
  • Falar o mesmo “idioma”: idade, tipo de pessoa, expressões locais, interesses, etc.;
  • Usar palavras contemporâneas: exemplo em vez de “trazer a lume” usar a palavra publicar, editar, etc.;
  • A publicidade deve utilizar elementos que levem o público-alvo a identificar-se.
  • Explicar/traduzir: as expressões mais “teológicas” devem ser explicadas, traduzidas ou parafraseadas. (exemplo: caridade >> amor); Não crentes: cuidado redobrado… “códigos teológicos” são indecifráveis.

Se as pessoas não entendem a mensagem para quê fazer um cartaz?

QUEM está a promover?

  • O cartaz ou logo não deve ser um retrato da personalidade do designer, mas da instituição que está a publicitar;
  • É necessário que represente a identidade da igreja – personalidade, liturgia, corpo de doutrinas, denominação, estilo de liderança, etc.

A publicidade é um espelho de quem somos (parafraseando Tomas Lorente) 

O QUE está a promover?

  • Que tipo de Igreja, evento, departamento estamos a promover?
  • É importante adequarmos a publicidade/cartaz ao tipo de situação que está a ser anunciada.
  • O bom senso é essencial…

QUAL O MEIO mais adequado?

O meio depende do tipo de divulgação, da sua relevância e do orçamento;

  • INTERNO – Cartaz nas instalações da Casa de Oração; site; mails; redes sociais, sms; projeção durante os anúncios na igreja; etc.;
  • EXTERIOR – Cartaz em lojas; anúncio no jornal local/rádio; envio de notícias para os media locais; Placard ou faixa; Folhetos; etc.
Ana Ramalho Rosa
Coordenadora AD.J – Departamento Juvenil
Convenção das Assembleias de Deus em Portugal

Bibliografia
Notas da formação equipa edições CAPU 2008, Rubinho Pirola;
Publicidade para Igrejas, Robson Rocha e Rafael Paixão, CPAD;
The Role of Design in Modern Church Marketing; Darren Hoyt, SitePoint;

Etiquetas: Comunicação, Media